HackerTeen cresce e quer expandir sua atuação junto a jovens excluídos social e digitalmente

“Não queremos simplesmente gerar empregos, mas sim gerar empregos de qualidade para os jovens”

Tuesday, 20 de December de 2005

A Executiva Eliane Feliz foi contratada para estruturar a nova área A formação profissional HackerTeen conta agora com uma área dedicada à Responsabilidade Social. A exclusão digital e a dificuldade para se conseguir o primeiro emprego são os dois principais problemas sociais a serem combatidos pela nova área por meio de parcerias com fundações da iniciativa pública e privada. Para estruturar a área, o HackerTeen contratou uma profissional com experiência reconhecida no mercado: Eliane Feliz, que já atuou em empresas como IBM, SUN, Cyclades e Novell. De acordo com Eliane, “a importância da responsabilidade social é permitir que a empresa trabalhe com o impacto social inerente à sua atividade”, e conclui, “essa atuação possibilita uma retroalimentação positiva, ou seja, a sociedade e a empresa se beneficiam deste relacionamento de uma maneira auto-sustentável e não apenas filantrópica”. Criado em 2004, o projeto HackerTeen já foi formulado com essa preocupação social. “Mesmo não tendo uma área focada em Responsabilidade Social, como há agora, o projeto já permitiu que muitos jovens fossem beneficiados com as parcerias estabelecidas”, ressalta Marcelo Marques, Diretor de Estratégias do projeto. A IBM foi a primeira empresa a reconhecer a importância dessa iniciativa para o desenvolvimento da ética e da responsabilidade social entre os jovens brasileiros. Por meio da iniciativa “Reinventando a Educação”, a empresa contribuiu para que 24 jovens em situação de desvantagem social tivessem acesso à experiência. Eles formam as duas primeiras turmas do HackerTeen: uma em Santo André (SP) e outra no Rio de Janeiro. Em parceria com o Instituto IBI e o Projeto Casulo, o HackerTeen também promove o curso para 24 jovens, com idade entre 17 e 25 anos, de famílias menos favorecidas das comunidades Real Parque e Jardim Panorama, na região do Morumbi, em São Paulo. “Queremos buscar fundos internacionais que nos permitam treinar centenas de jovens e formar uma grupo de excelentes profissionais para atuar no mercado de redes e segurança de computadores”, acrescenta Rodolfo Gobbi, presidente do HackerTeen. Além das parcerias com instituições, o próprio HackerTeen destina vagas a adolescentes indicados por parceiros como, por exemplo, os Telecentros de prefeituras ou organizações não-governamentais voltadas à educação. Alguns jovens já são favorecidos por essa iniciativa. Outro papel que será desempenhado pela nova área é o de criar facilidades para que o jovem consiga o primeiro emprego. Para isso, o HackerTeen estabelecerá parcerias com iniciativas como o Jovens Aprendiz e Primeiro Emprego. “Não queremos simplesmente gerar empregos, mas sim gerar empregos de qualidade para os jovens”, afirma Gobbi. Para saber mais sobre o HackerTeen, clique aqui

Compartilhe esta página