PGBR 2013 – O maior evento de PostgreSQL das Américas

Em 15, 16 e 17 de agosto acontecerá o PGBR 2013, considerado o maior evento de PostgreSQL das Américas. O evento reunirá desenvolvedores, usuários e pesquisadores da tecnologia de banco de dados livre e de código aberto PostgreSQL. Desde 2007 o ev...

Wednesday, 14 de August de 2013

 

Em 15, 16 e 17 de agosto acontecerá o PGBR 2013, considerado o maior evento de PostgreSQL das Américas. O evento reunirá desenvolvedores, usuários e pesquisadores da tecnologia de banco de dados livre e de código aberto PostgreSQL. Desde 2007 o evento disponibiliza aos participantes uma programação de alto nível, que inclui oficinas, palestras e mostra de trabalhos acadêmicos. A 4Linux é novamente uma das patrocinadoras do evento e convida a todos para realizarem a sua inscrição, até o dia 11/08, através do link.

A 4Linux conversou com Flavio Gurgel, construtor (consultor + instrutor) 4Linux, que será um dos palestrantes do evento. Confira o bate-papo:

1 – Sua palestra “Como lidar com cargas de trabalho mistas” pretende propor soluções para quais tipos de problemas?

Esta palestra é baseada em uma experiência real em um cliente onde tive de lidar com um banco de dados complexo e que misturava consultas rápidas e transacionais, consultas lentas e de relatórios, com filtros diversos e  selecionáveis por usuários, além de dezenas de rotinas em funções dentro do banco para cargas e transformações de dados em diversos esquemas. Normalmente é fácil lidar com um de cada modelo desses, mas ajustar as coisas pra lidar com tudo junto foi o desafio que superei e pretendo demonstrar isto aos que forem assistir.

2 - Em sua opinião, o que lhe chama atenção na edição deste ano em relação ao PGBR 2012?

A localização do evento é a maior mudança, saímos do estado de São  Paulo. A organização local em Rondônia é muito competente e parece que o sucesso está garantido. Tem centenas de inscritos e palestras de altíssima qualidade, inclusive internacionais.

3 – Pelo fato de ser em Rondônia, Porto Velho, vários estudantes poderão participar. Para quem quer começar na área de banco de dados, quais palestras você recomendaria?

Eu recomendaria que priorizassem as palestras que refletem as tendências de mercado, como estatística e dados geográficos. PostGIS é a estrela desta edição do PgBR, tem palestras e vários painéis. PostGIS é forte naquela região do país.

4 – Silvio Meira diz que existe uma Internet antes de Snowden e pós Snowden. Você acredita que pode-se fazer a mesma relação para Banco de Dados?

Sem sombra de dúvida. Vi uma migração em massa de empresas confiando seus dados a hospedagens na nuvem, dados sensíveis!

Sempre digo em minhas palestras e cursos: o maior ativo das empresas hoje são seus dados. Não corra risco com eles. Hospedar dados sensíveis sempre em servidores em que você tem total controle é fundamental. Isso, claro, inclui minha recomendação de usar sempre bancos, como o PostgreSQL, que não vão te "aprisionar.

5 – Devido ao PRISM, você acredita que as empresas e os governos passarão a olhar com mais cuidado para aquisição de banco de dados de empresas que cedem informação ao governo norte-americano? Em caso positivo, essas migrações seriam traumáticas?

Acredito que quem já usa bancos de dados proprietários já sabe e já viu os riscos envolvidos. Alguns fornecedores fazem investigação na sua empresa sem sua permissão e ainda usam isso contra você na hora de apresentar a cobrança de licenças. Acho que o recente vazamento do PRISM não muda isso, as pessoas são teimosas e acreditam que o fornecedor A é melhor, mas na verdade trabalham com ele por pura comodidade, pra não ter que aprender coisas novas.

Migrações de dados não deveriam ser traumáticas. Com o planejamento correto, vai bem. Dá trabalho e tem um custo de CAPEX envolvido, mas o ROI é garantido. A 4Linux tem serviços e produtos para ajudar seus clientes em migrações para PostgreSQL.

6 – O PostGIS é considerado o supra sumo em georreferenciamento. Quais destaques você daria?

O ecossistema em volta dele. Existem dezenas de servidores de mapa, aplicativos desktop, ferramentas de transformação e de automação para dados espaciais que se plugam ao PostGIS. Nunca vi um ecossistema tão maduro e diverso, que evoluiu tão rápido como o que está em volta do PostGIS. Sem contar a quantidade de "gente grande" que usa.

7 – Para um profissional que quer aprender sobre Big Data, quais caminhos você apontaria para ele estudar? O PostgreSQL tem fator chave para Big Data?

Quem quer se aventurar em Big Data tem que entendê-lo corretamente. O  que tenho se visto por aí é um monte de "Big Data é legal", mas ninguém sabe direito o porquê. Vi implementações de Big Data que foram uma catástrofe porque não souberam gerenciá-lo depois de uma implementação que parecia simples.

Eu recomendo a quem for mexer com Big Data que aprenda o mundo relacional também. Entender quando uma e outra abordagem é importante. Aprender como misturá-las e tirar proveito disso.

O PostgreSQL tem dois fatores chaves implementados e o tornam parte desse ecossistema: hstore, que é uma implementação de tabela do tipo chave-valor, rápida e confiável, e os Foreign Data Wrappers, que permitem o acesso pelo PostgreSQL a dados externos, o que facilita a integração do PostgreSQL com outros componentes de uma solução Big Data. Pense no PostgreSQL como flexibilidade extrema.

Sobre Flavio Gurgel

Flavio Henrique Araque Gurgel é consultor e instrutor de bancos de dados da 4Linux, engenheiro eletricista pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atua em projetos de dimensionamento, tuning de bases de dados e no suporte aos clientes. Atualmente, é líder da área de projetos e consultoria da 4Linux.

Compartilhe esta página